Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais.

A lição do Bambu Chinês

A lição do Bambu Chinês

Hoje eu posso dizer que me revejo nessa parábola, porque foram exatamente quatro anos a enraizar uma estrutura sólida para crescer.

Aprendam a levantar, porque vão cair e vão continuar a cair até ao último dia das vossas vidas.

Sabes qual é o grande problema? É que para tudo que quiseres fazer na tua vida, vais precisar do "maldito" dinheiro. Tentar seguir um sonho e ignorar o facto que o sistema funciona assim, é pedir à vida que te coloque de joelhos. Acredita em mim, porque tive de joelhos por muito tempo até aprender a levantar.

Há um bom tempo atrás, fiz um jogo no TeamSpeak da Academia Brasil ao lado do Footboy como moderador e mais outras 200 pessoas - jogo da Chape. Depois do jogo, conversamos sobre assuntos variados dentro desse universo de investimentos no mundo desportivo. E, a dada altura, o Foot deu um exemplo sobre o bambu chinês que me fez rever o meu caminho até aqui. Talvez te identifiques com o que vou dizer, pois de uma forma sem intenção, em cada vacilo que tive lá no início, as pessoas mais próximas(e reitero que foi sem nenhuma maldade) derrubaram-me com palavras que me traziam insegurança, desconfiança e alavancando uma forte pressão. E desta forma, desencorajando-me a seguir algo que eu acreditava. Aprendi com cada queda que tive, que o universo das minhas decisões somente a mim pertence. Trilhamos os nossos caminhos sozinhos e o nosso maior obstáculo é a nossa mente.

Imagina que tens um emprego normal de 8 horas por dia, 5 vezes por semana. Um dia chegas ao teu trabalho, fazes o que te compete com todo o amor do mundo, dedicas-te ao máximo, fazes tudo o que deverias ter feito e muito mais. E, no final do dia, o teu chefe ao invés de te pagar o equivalente ao teu dia de trabalho, sem explicação alguma, aplica-te uma multa enorme que vale quase todo o teu ordenado do mês. Como te sentirias? Mesmo gostando do que fazes e não trabalhasses apenas pelo dinheiro? Mesmo sendo excepcional na tua função? Como encararias isso? Ah, mas esse tipo de coisa não acontece na vida real, não é mesmo?!

Eu já perdi há muito tempo, as contas de quantas vezes eu comecei a trabalhar no início do dia e chegava à noite com quantias exorbitantes de dinheiro perdidas. Sem cometer erros. Sem investir em coisas sem valor. Apenas tendo um dia mau -um dia onde as variáveis foram mais fortes.

Imagina passar por um dia assim e ainda ser desencorajado a continuar. Imagina ser criticado por ter falhado em conclusões "certas" que deram errado. Multiplica a pressão da tua perda para mais de 200 vezes, que é o que acontece quando o teu lucro reflete o lucro de todos aqueles que confiam em ti e te seguem. Pessoas que dependem daquela renda. Pessoas que estão a começar e sonham com um futuro melhor. Pessoas que estão a aprender. Pessoas experientes no mercado, mas que confiam em ti ao ponto de dedicar o tempo delas a partilhar das tuas escolhas. Imaginem essa pressão. Algo encarado sem nenhum apoio, nenhuma válvula de escape. Já perdi as contas de quantas vezes fui trabalhar, dei o meu melhor e no final do dia perdi o lucro de uma semana. E de hoje em diante vou perder as contas novamente, porque isso vai acontecer novamente. Isso vale para qualquer investidor, em qualquer área, em qualquer profissão.

Eu já ouvi muitas vezes sobre ganhar dinheiro fácil. E digo que não existe algo fácil nesta vida. Como é excitante ganhar dinheiro a ver futebol ou a jogar poker, mas alguém, em algum momento, contou-te sobre os momentos dedicados ao estudo? Sobre a exaustão na procura por conhecimento? Porque falo de um mercado que está em constante evolução e precisas sempre de te adaptar a ele. Alguém já te falou sobre as constantes perdas? Para ganhar, vais ter que perder, porque estamos a falar em investimentos, algo que se mensura nas possibilidades sobres os riscos, ou seja, irás ganhar e perder constantemente e o teu lucro vem na boa gestão do balanço do que tinha valor. Isso é matemática e não uma brincadeira de viciados.

Muitos vão dizer para trocar de profissão se é algo tão árduo, mas amigos, neste universo de investimentos, o único limite imposto é o que a tua mente impõe. Eu faço tudo o que gosto de fazer. Trabalho onde, quando e como eu quero. Daqui a uma temporada, o meu salário pode ser 3 vezes maior, assim como pode ser menor também. Mas o que te vou dizer é maior do que tudo o que foi dito aqui até a este instante.

Não se trata de dinheiro e sim de liberdade.

Todos passam por momentos de dificuldades, levam reds na vida e no seu trabalho, mas digo sempre uma coisa; "Levaste um tombo? Levanta. Ergue a cabeça e segue caminhando pelo  teu caminho, no mesmo ritmo, na mesma velocidade, pois o lucro fica mais perto a cada red.” A história do bambu, é que nos primeiros 4 anos ele não cresce, fica apenas enraizando, só que no 5º ano ele cresce 24 metros.

Hoje eu posso dizer que me revejo nesta parábola, pois foram exatamente quatro anos enraizando uma estrutura sólida para crescer. Foram muitos anos a estudar, realmente a dedicar-me, tanto nas teorias, quanto na prática. Fora os sacrifícios ao juntar o maldito dinheiro para conseguir no futuro que ele fizesse mais dinheiro de uma forma consistente. Mas o plano não daria certo se eu não tivesse estudado tanto e soubesse exatamente o que estava a fazer. São mais de 9 anos num mercado extremamente arisco.

Quantas vezes eu não pensei em desistir? Quantas vezes o tombo foi tão grande que mal valia a pena juntar os cacos? Só eu sei das minhas quedas e só vocês sabem as de vocês. Mas lembrem que é preciso perder para aprender a ganhar. A aprendizagem e o sucesso surgem da mesma raiz, o fracasso. 

Façam o que fizerem, mas façam bem feito. Aprendam a levantar, pois vão cair muito e vão continuar a cair até o último dia das vossas vidas. Lembrem que a aprendizagem está tanto em como vocês caíram, quanto em como vocês levantaram. É preciso adaptar-se. Nenhum movimento que fizerem é igual ao outro. Nunca vai ser, pois o teu eu de ontem, não é o mesmo eu de hoje. É uma constante evolução. 

Partilhar "A lição do Bambu Chinês" via: